AOPP acompanha o andamento do Projeto de Lei 257/2016, em Brasília

26/02/2018

A diretoria da AOPP esteve na audiência pública, no plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília, para se mobilizar contra o Projeto de Lei 257/16, que detonaria os direitos dos servidores públicos

 

 

 

Uma grande vitória foi conquistada na audiência pública realizada no dia 5 de abril de 2016, no auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados, em Brasília. O Projeto de Lei 257/2016, em tramitação no plenário, que detonaria os direitos dos servidores públicos, não seria mais votado na semana.

 

Policiais e bombeiros militares e representantes das entidades de classe, como a AOPP, pontuaram as negativas do projeto. Um dos principais questionamentos da categoria é a alteração da previdência, congelamento de salários e aumento de efetivo. Uma bela demonstração de união e força política foi percebida com a presença de centenas de associações que lotaram o plenário. A realização do evento e os pronunciamentos dos parlamentares mobilizaram a Câmara, o influenciou a reunião de líderes a culminar com a retirada do projeto da pauta na semana. O deputado federal Capitão Augusto também intercedeu junto ao líder do governo para que retire a urgência da tramitação desse projeto, a fim de que possa ser melhor analisado. Ele ponderou que essa proposta seja melhor discutida. “Aos gritos de “Se a 257 passar, a PM vai parar’, o encontro foi um sucesso. Ttalvez nunca tenha havido uma reunião com tantos representantes da polícia e bombeiros militares”, revelou o Capitão Augusto.

 

A diretoria da AOPP estará acompanhando de perto toda mobilização e ainda ressalta a importância dessa mobilização para a manutenção e avanço das conquistas e garantias dos direitos dos policiais e bombeiros militares.

 

 

 

Mobilização

 

O deputado federal Major Olímpico destacou que a audiência pública é importante para demostrar aos demais parlamentares a mobilização da categoria: “A mobilização une oficias e praças para que não haja prejuízo para os servidores”.

 

O comandante do 48º Batalhão de Polícia Militar, Tenente-Coronel PM Hércules de Paula Freitas, ressaltou a importância da participação de policiais e bombeiros militares de todo o País. “Essa tentativa de aprovação deste projeto é prejudicial ao direito dos militares. Neste momento, temos a necessidade de sermos ouvidos”, disse.

 

O Comandante-Geral da Polícia Militar de Minas Gerais e presidente do Conselho Nacional de Comandantes Gerais (CNCG), Coronel Marco Antônio Badaró Bianchini, reforçou dizendo que é preciso que parlamentares se sensibilizem às questões dos policiais estaduais de todo o País: “Não podemos deixar que o de direito adquirido pela categoria seja perdido. Os comandos estão juntos com os seus militares para barrar este projeto, e que nossa união seja permanente”.

 

Já o presidente da Associação dos Oficiais da Polícia Militar e Bombeiros Militares de Minas Gerais (AOPMBM), Tenente-Coronel Ailton Cirilo da Silva, falou que a mobilização marca a história das PPMM e CBM. “Pela primeira vez, os militares estaduais estão engajadas para sensibilizar os parlamentares a respeito da retirada desse projeto que compromete de forma direta os benefícios da categoria”.

Mais Notícias: